É a maior de Portugal e uma das mais ricas em termos de paisagens, gastronomia e herança cultural.

A região do Alentejo estende-se de Beja, Évora e
Portalegre, a este, até a algumas áreas dos municípios de Santarém e Setúbal, a oeste, é muito fértil em paisagens, apresentando realidades tão distintas como as típicas planícies, montados, zonas montanhosas e uma faixa litoral replete de praias idílicas. 

Desde os longínquos tempos pré-históricos, passando pelo Império Romano e pela presença árabe na Península Ibérica, esta região histórica conta com um elevado número de vestígios arqueológicos.

Percorrer o Alentejo é viajar pela História de Portugal, incluindo pela cultura e tradição equestres nacionais. 

É nesta região que se encontram algumas das maiores referências equestres portuguesas, como é o caso da Coudelaria de Alter do Chão e da Feira da Golegã.

Sócios da ANTE

Alojamento

Campeonatos de Portugal

Campeonato de Portugal 10 disciplinas (Obstáculos, Ensino e Eq. Trab, C.C.E, Raides, Atrelagem, Eq. Trabalho, TREC, Horseball, Volteio). Profissionais do mundo Equestre. Local: Vários Data:...

Read More

Locais de Interesse

ALANDROAL
Castelo
Castelo Medieval erguido sob o reinado de D. Dinis (1279-1325).

ALJUSTREL
Igreja de Nossa Senhora do Castelo
Situada no topo da colina, ergue-se esta construção setecentista, a que se acede por uma ampla escadaria que começa – a meio da encosta.

ALMODÔVAR
Povoado de Mesas do Castelinho
Datado da Idade do Ferro, período islâmico.
Convento de São Francisco
Construído no séc. XVII, é composto pelo edifício conventual, claustro e uma pequena igreja, de traça maneirista.

ALTER DO CHÃO
Castelo
No centro histórico da vila, este castelo é representativo da arquitectura medieval trecentista, quando cooperava com o vizinho Castelo de Alter Pedroso na defesa desta região.
Chafariz renascentista
Em estilo renascentista, é constituído por uma alpendrada em forma de cúpula dupla, sustentada por três colunas, tudo em mármore de Estremoz.

ALVITO
Castelo
Entre o gótico e o manuelino, este templo mandado construir em 1481, não esconde as influências mudéjar. Actualmente é uma pousada.
Igreja de Nossa Senhora da Assunção
Matriz de Alvito, este templo foi mandado construir no final do séc.XIII. Nele se mesclam os estilos gótico, barroco, manuelino, renascimento e maneirismo, fruto das constantes remodelações
e ampliações que sofreu ao longo dos séculos.

ARRAIOLOS
Castelo
Castelo românico-gótico, construído no início do séc. XIV.
Convento dos Lóios
Edifício caracterizado pela sobreposição de estilos arquitectónicos, com o predomínio do manuelino-mudéjar na igreja e do barroco
seiscentista no convento.
Ruínas Romanas de São João do Campo
Constituídas por grandes blocos de silharfa de granito.

AZAMBUJA
Palácio de Pina Manique
(Manique do Intendente)
Castro e vestígios pré-históricos
Em Vila Nova de S. Pedro.

BEJA
Castelo
Hoje um autêntico miradouro para a planície alentejana, num castelo mandado construir por D. Dinis. Destaca-se as suas janelas góticas e a sua torre com cerca de 40 metros de altura que alberga uma escada em caracol perfeito que conta com 183 degraus.
Bairro Mouraria
Bairro construído provavelmente nos sécs. XV e XVII.

BORBA
Fonte das Bicas
Chafariz setecentista de estrutura neoclássica e decoração rococó.

Castelo
Fundado em 1302.
Convento de Nossa Senhora da Consolação
No meio do bosque, Duque de Bragança mandou erguer em 1505, o convento posteriormente extinto no séc. XIX. Hoje em dia é um hotel.

CAMPO MAIOR
Castelo
Erguido no alto do outeiro de Santa Vitória para defesa da raia alentejana, do alto de suas torres se divisam as vizinhas Badajoz e Elvas. Atualmente o monumento integra a Praça-forte de Campo Maior, depois da de Elvas, a mais importante fortificação do Distrito.

CASTELO DE VIDE
Castelo
O castelo situa-se no canto S das fortificações medievais, que integram o primitivo burgo, constituindo as suas muralhas o prolongamento das da cerca urbana.
Cerca Urbana Medieval
Portas da Vila e de S. Pedro (sécs. XIV).
Forte de S. Roque
É um exemplo de arquitetura militar abaluartada (séc. XVIII).

CHAMUSCA
Capela de Nossa Senhora do Pranto
Talha dourada e azulejos do séc. XVII.
Mãe d’Água
Nascente de água, sistema de irrigação árabe, açude e bebedouro para animais.
Castelo de Almourol
Situado numa pequena ilha do Tejo perto de Constância, teve uma importância estratégica para lusitanos, romanos, árabes e cristãos, tendo pertencido à Ordem dos Templários.

CORUCHE
Igreja da Misericórdia
Datada do séc. XVI, tem no seu interior um órgão de tubos de 1803.
Aqueduto do Monte da Barca
Aqueduto medieval com cerca de 1000 metros de comprimento. Os arcos chegam a medir quatro metros de altura.

CRATO
Castelo e Cidadela Abaluartada
O castelo medieval apresenta planta no formato trapezoidal, tendo as suas muralhas reforçadas por cinco torres nos ângulos, sendo que a torre Norte era a de menagem (sécs. XIII-XVII).
Varanda do Grão Prior
Único elemento que se conserva do antigo palácio do Grão-Prior do Crato, trata-se de uma imponente varanda sobre uma loggia abobadada, aberta por arcos de volta perfeita e decorada com rosáceas e meias-rosáceas. Um original e robusto símbolo do poder do Priorado (séc. XVI).

ELVAS
Muralhas
As muralhas de Elvas são as maiores fortificações abaluartadas do mundo. Integram o conjunto histórico-cultural inscrito na lista do Património Mundial da UNESCO como “Cidade Fronteiriça e de Guarnição de Elvas e as suas Fortificações”.
Castelo
Erguido na zona lindeira, no alto de um monte em posição dominante sobre a povoação e o rio Guadiana, integra um impressionante conjunto defensivo erguido ao longo dos séculos.

ESTREMOZ
Castelo
Construção do início do séc. XIII por D. Sancho II, foi continuada por D. Dinis, com a edificação do Paço Real, local onde viria a morrer a Rainha Santa. Também as cortes de D. João I foram aqui realizadas, em 1416. Em 1659, inicia-se a construção da igreja no locai onde teria falecido a rainha D. João V reconstruiu o Paço, onde fundou a Sala de Armas, famoso Museu de Artilhada da época.
Castelo de Évora-Monte
Chegando-se a avistar o castelo de Estremoz a partir do castelo de Évora-Monte, a construção deste foi inspirada em protótipos italianos, evocando Da Vinci, ou Francisco de Holanda.

ÉVORA
Centro Histórica de Évora
Património da Humanidade.
Sé Catedral de Évora
Fundada no séc. XIII pertenceria ao estilo gótico, se também não fosse caracterizada pela sobreposição dos estilos arquitectónicos que marcaram a sua passagem ao longo dos séculos.
Templo de Diana
Ex-libris da cidade de Évora que conta com cerca de dois mil anos de história. É uma das mais bem conservadas ruínas romanas da península.
Igreja de São Francisco
De estilo gótico-manuelino, com linhas mudéjar dos sec. XV e XVI, a igreja abarca no seu interior uma Capela dos Ossos.
Convento e Igreja dos Lóios
Data de finais de quatrocentos, pode dizer-se que é um  monumento gótico-manuelino de influência árabe.
Palácio de D. Manuel
Faz parte de uma arquitectura cortesã manuelina, onde se cruzam influências mudéjar, com elementos renascentistas.
Universidade de Évora
Criada em 1551 como colégio do Espírito Santo da Companhia de Jesus, é um edifício maneirista desenvolvido da época do Cardeal D. Henrique. Na igreja podem admirar-se alguns dos melhores
exemplares da talha barroca joanina e nas salas de aula, azulejos barrocos lisboetas.
Palácio dos Antigos Condes de Basto
Palácio quinhentista, com traços arquitectónicos a fazer lembrar um castelo. Desenvolve ainda traços manuelinos, renascentistas e revivalistas. As pinturas murais de temática profana, inspiradas
nas Metamorfoses de Ovídio, constituem um dos mais representativos conjuntos do país.
Muralhas de Évora
Constituída pela chamada Cerca Velha, fragmentos de muralhas romanas e árabes do séc. II ao XIV e Cerca Nova, quatrocentista.
Arco Romano de Dona Isabel
Datado do início do séc. iii é um elemento da cerca romana, uma das entradas da cidade.
Chafariz da Praça do Giraldo
Construído em 1571 a mando do Cardeal D. Henrique integrando a rede de distribuição de água do Aqueduto da Prata.
Chafariz da Porta da Moura
Edificado em 1556 a mando do Cardeal D. Henrique integrando a rede de distribuição de água do Aqueduto da Prata.
Teatro de Garda de Resende
Data do primeiro quarto do séc. XVI e pode ser classificado dentro do estilo manuelino-mudéjar.
Convento da Cartuxa
De origem quinhentista é caracterizado pela sobreposição dos estilos renascentista, maneirista e barroco, O claustro é o maior da Europa.
Igreja da Nossa Senhora do Espinheiro
Tornou-se no panteão colectivo da mais alta nobreza quinhentista do reino.
Cromeleque dos Almendres | Guadalupe

GOLEGÃ

Igreja Matriz
Datada do século XVI, constitui um dos mais emblemáticos e mais bem conservados exemplares do estilo manuelino, merecendo especial destaque o seu magnífico portal. A igreja é Monumento Nacional desde 1910.

MARVÃO
Cerca urbana e Portas da Vila e de Ródão
Marvão encontra-se rodeado de muralhas do século XIII e do século XVII, que a protegem e envolvem o casario no seu centro.
Castelo (séc. XIII-XVIII)
O Castelo inscreve-se no Parque Natural da Serra de São Mamede, na vertente norte da serra, em posição dominante sobre a vila e estratégica sobre a linha da raia, controlando, no passado, a passagem do rio Sever, afluente do rio Tejo.
Igreja de Santa Maria
Actualmente Museu Municipal, os visitantes podem ver e admirar coleções etnológicas e arqueológicas da região e vestígios de milhares de anos de povoamento.

MONSARAZ
Fortificações e Conjunto de Intramuros
Monsaraz foi conquistada por O. Sacho II e o seu castelo finalizado no séc. XIV, já no reinado de D. Dinis.
Capela Votiva de São João da Muralha e Ermida de São João Baptista
Data do séc. XV, conta com influencias islâmicas no seu interior.
Capela de são José Fundada em 1708, situa-se sobre um piso de
habitação.
Ermida de Santa Catarina de Monsaraz
Templo do séc. XIII com um arco triunfal de acesso à abside que pode remontar a padrões romanos ou visigóticos.
Igreja do Convento de Nossa Senhora da Orada dos Agostinhos Descalços
Templo de 1700, totalmente restaurado após o terramoto de 1755.
Menir da Outeiro
Datado entre o terceiro e quarto milénio a.C.
Conjunto Megalítico da Herdade do Xerez
Cromeleque do quarto e terceiro milénio a.C. definido por 50 menires de cerca de 120 a 150cm de altura e um monumento central de 4m de altura.

MONTEMOR-O-NOVO
Castelo
Erguido no séc. XIII, foi alvo de intervenções até ao séc. XVI.
Gruta do Escoural
Constituída por uma grande sala e múltiplas galerias que serviram povos desde há cerca de 50 000 anos até há 4 000 anos atrás, povos esses que ilustraram o seu interior com cenas do seu quotidiano.
Anta da Herdade das Comendas
Anta de grandes dimensões datada do quarto e terceiro milénio a.C.
Ermida de Nossa Senhora do Livramento
Anta transformada em capela em data incerta.

MOURA
Castro de Azougada
Data da Idade do Ferro tendo tido o seu ponto forte entre os sécs. V e IV a.C.

OURIQUE
Castelo
Construído a mando de D. Dinis, entre os sécs. XIII e XIV, hoje tornou-se num excelente miradouro ladeado de jardins.
Castro de Cola
Fortificação e povoado que remontam à Idade do Bronze. Ampliado e reforçado no séc. XIV, dele, resta hoje a muralha, uma cisterna e vestígios de casas.
Cerro do Castelo
Faz-nos remontar nos tempos, até à Idade do Bronze final, depois ao período romano, árabe e por fim, medieval.

PORTALEGRE
Castelo — três torres (sécs. XII-XIV-XVI)
Testemunha uma posição estratégica, perto da fronteira com Espanha, numa zona de uma penetrante natural da fronteira portuguesa, a Penetrante do Alto Alentejo. Assumiu, por tal um papel importante na sua defesa assim como na defesa da sua envolvente.

REDONDO
Castelo
Mandado construir por D. Dinis em 1319.
Anta da Candeeira
Datada do quarto e terceiro milénio a.C., esta anta de xisto é considerada o monumento.

SALVATERRA DE MAGOS
Aldeia típica de pescadores do Escaroupim
Típica aldeia piscatória, formada em meados dos anos 30. Alves Redol chamou “nómadas do rio” às famílias que durante o Inverno se deslocavam de Vieira de Leiria para o rio Tejo, para as campanhas de pesca de inverno, regressando no verão à sua terra natal, para pescar no mar. Alguns destes pescadores foram fican-
do pelas margens do Tejo, formando pequenas povoações piscatórias ao longo do rio.

SANTARÉM
Igreja de S. da Graça
Edifício gótico do séc. XIV/XV; túmulos de Pedro Álvares Cabral, descobridor do Brasil 1500.
Igreja do Convento de S. Clara
(edifício gótico do séc. XIII/XIV)

Edificada no séc. XVII, a Igreja do Seminário de Santarém, nome pelo qual ainda hoje é conhecida, foi construída sobre o abandonado e ruinoso Paço Real da Alcáçova Nova.
Portas do Sol
Fortificação romana e árabe, integra conjunto muralhado medievo; miradouro.
Caneiras
Casas construídas sobre estacas.
Torre das Cabaças
Museu do Tempo (aproveitamento de uma torre, das muralhas medievais, adaptada a torre-relógio no séc. XVI).
Ponte velha
Liga Almeirim a Santarém, um projecta que se diz de Gustave Eiffel.

SERPA
Muralhas
Reconstruida por O. Dinis, a construção aproveita-se da alcáçova já existente. O Palácio dos eIos encontra-se assente num dos panos, tal como o aqueduto, cuja arcada se estende até á nora mourisca que servia na época, para abastecer o palácio, de água.
Igreja e Mosteiro de São Francisco
Em 1663 chega a ordem do Duque de beja para erguerem a igreja para os frades xabreganos. Reedificada a mando de D. Manuel, este templo surge-se hoje como uma junção dos estilos manuelinos e mudéjar.

VIANA DO ALENTEJO
Castelo
Construção atribuída a D. Dinis e que faz lembrar a traça dos castelos franceses.

VILA VIÇOSA
Paço Ducal
Construção de 1501 que se iria arrastar por muitos anos. O palácio também é um magnífico museu da Casa de Bragança.
Castelo
Fundado por D. Dinis no séc. XII e reforçado no séc. XVII com paredes de 5 metros. Um bom exemplar da arquitectura milita de influência italiana.

Locais de Interesse

ALJUSTREL
Museu de Aljustrel
Património arqueológico notável resultado de cerca de um século de investigações efectuadas em diversos sítios arqueológicos do concelho.

ALMODÔVAR
Museu Municipal Severo Portela
Antiga cadeira em que o seu nome pretende ser uma homenagem ao pintor natural da localidade.
Museu da Junta de Freguesia de Santa Clara-a-Nova
Etnografia e peças arqueológicas de Mesas do castelinho.

ALTER DO CHÃO
Coudelaria de Alter
A Coudelaria de Alter foi criada em 1748, no âmbito de uma nova política coudélica, iniciada em 1708 pelo Rei D. João V,  consequência da moda europeia. Está instalada na Herdade da Tapada do Arneiro, propriedade integralmente murada, com uma área aproximada de 800 hectares, com um notável património natural de grande valor paisagístico, florístico e faunístico, sendo a
mais antiga e notável Coudelaria Portuguesa e, no mundo, a que mais tempo leva de funcionamento ininterruptamente no assento originário.

ARRAIOLOS
Centro interpretativo do Tapete de Arraiolos
Espaço museológico permanente e ao serviço da comunidade, que tem como missão promover o estudo e a divulgação do Tapete de Arraiolos, assim como a sua conservação, proteção, valorização
e reconhecimento enquanto património histórico, artístico e etnográfico, tanto na sua vertente material como imaterial.

BEJA
Museu da Rainha Dona Leonor
O seu espólio integra peças da pré-história á actualidade e é uma das mais notáveis colecções visigóticas dos pais.
Museu Militar do Baixo Alentejo
Exposição de utensílios militares.

CAMPO MAIOR
Centro de Ciência do Café
O Centro de Ciência do Café nasce do desejo, por parte do Comendador Rui Nabeiro, um homem que continua a dedicar a sua vida ao café, de criar um espaço com características únicas em Portugal, na europa, e mesmo a nível mundial, que transmita o conhecimento existente sobre temáticas relacionadas com o CAFÉ.

ESTREMOZ
Museu Municipal
Museu que contempla a etnografia e barrística popular de Estremoz.

ÉVORA
Museu de Évora
Criado em 1915, foi instalado no antigo Paço Episcopal. As peças mais importantes do Museu de Évora são um conjunto de 13  painéis que representam a Vida da Virgem e 6 painéis mais pequenos da Paixão de Cristo pintados em meados do século XV por desconhecidos da escola de Bruges.

FERREIRA DO ALENTEJO
Museu Municipal de Mértola
Campo arqueológico dividido em quatro núcleos: romano, nas caves da Câmara Municipal; Visigótico, na Basílica Paleo-Cristã; lapidar, na Torre de menagem do castelo; da arte sacra, na Igreja da Misericórdia e islâmico na Rua da Igreja.

MOURA
Museu do Azeite
Localizado num antigo lagar, este museu disponibiliza um fiel testemunho da produção do azeite sem a ajuda de maquinarias, anterior à industrialização.

REGUENGOS DE MONSARAZ
Casa do Cante
Cantado em grupo e, originariamente, por homens do campo, o Cante conta através de modas a história do seu povo e do Alentejo.
Exposição permanente de artes e ofícios tradicionais. São várias as coleções que atualmente se encontram na exposição permanente “Artes e Ofícios Tradicionais”, através das quais pretendemos
reconstituir memórias do modo de vida de um povo que tem, na tradição e nos valores, um reflexo muito significativo da sua identidade cultural.

SERPA
Museu Etnográfico
Um espaço que reúna relacionados com as artes e os ofícios regionais.
Museu Arqueológico
Sito dentro das muralhas do castelo de Serpa, podem observar-se peças paleolíticas, neolíticas, do bronze e ferro, resultado das escavações da Cidade das Rosas, entre Serpa e Vale de Vargos.
Museu do Relógio
Situado no Convento do Mosteirinho, trata-se de uma colecção particular de António Tavares d’Almeida.

VIANA DO ALENTEJO
Museu do Chocalho
Museu dedicado à actividade mais característica e tradicional de Alcáçovas: a produção de chocalhos.

CENTROS HÍPICOS

Consulte os Centros Hípico desta região e  homologados na Rede Nacional de Centros Federados da Federação Equestre Portuguesa em: www.fep.pt/Centros-Federados

GASTRONOMIA

Tibornas

Ensopado de borrego

Carne Mertolenga

Migas de bacalhau com poejos

Ovos com espargos

Orelha de porco de coentrada

Açorda

Sopa de cação

Migas com carne de porco

Ensopado de enguias

Enguias fritas

Sopas de muge

Cozido de grão

Gaspacho

Tomatada

Sopa da Pedra

Torricado de bacalhau assado

Sopa de feijão com couve

Arroz de lampreia

Azeites do Norte Alentejano

Azeite de Moura

Queijo de Évora

Queijo de Serpa

Encharcada do Convento de Santa Clara

Broas de Santa Isabel

Pudim de água

Barriga-de-freira

Ameixa de Elvas

Bolo podre

Morgado

Folhado de Gila

Popias caiadas

Toucinho-do-céu

Pão-de-ló

Arroz doce

Papas de abóbora

Vinho Alentejano e Ribatejano das Regiões Demarcadas

Mel do Alentejo

turismo de natureza

Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina

Estende-se desde São Torpes, a sul de Sines, até ao Burgau, já na costa sul algarvia, numa faixa marítima de dois km de largura que acompanha a Área Protegida em toda a sua extensão.

Serra do Cercal

Barragem do Alqueva

Barragem Montargil

Aldeia de avieiros do Porto do Patacão | Alpiarça

Barragem dos Patudos | Alpiarça

Palhota, aldeia avieira | Cartaxo

Reserva Natural do Paúl do Boquilobo | Golegã

Parque NaturaL da Serra de S. Mamede